professor espiritual. monge zen budista

Dia após dia, instante após instante, você pode deixar a sua atenção ir-se mudando para o coração. O coração tem olhos que não discriminam, olhos que não veem pela diferença, mas pelo vazio (sunyata) da compaixão.

Primeiro, você percebe os limites do corpo, depois, os limites da mente e, finalmente, a falta de limites da consciência.

A verdade dispensa a sua crença. Desfaça-se da segunda.